domingo, 10 de novembro de 2013

Monólogo com Caius (ação em secreto)

Sabe Caius... Hoje acordei me sentindo sozinha, sem esperanças. Olha pra isso, é o mundo. Eu e você sozinhos, contra o mundo. Que chances a gente tem? Quando me sinto assim, sozinha, me culpo por esquecer de Anadon, mas a verdade é que ele é só mais um para morrer por mim.

As vezes sinto vontade de pegar um grifo e fugir. Mas fugir pra onde? Deixar mesmo todo mundo ser destruído? Se ao menos você me dissesse o que fazer... Eu estou agindo às cegas. Estou arriscando minha vida na busca do domo, mas nem sei o que fazer com ele.


Estou pessimista hoje, Caius. E eu vou para o inferno. Eu e o Dondon. Talvez não seja tão ruim, né? Eu traí um amigo também, e ele disse que eu sou um monstro. Nem ligo se eu sou. Ou ligo. Fiz igual um dia fizeram comigo. Entraram na minha casa, mataram minha família... É... eu sou um monstro que não gosto. Também deixei o Tranca ir, depois de um discurso longamente improvisado, mas me convenceria.

Também não posso contar o que penso e planejo à Kiara, mesmo ela sendo minha amiga. Confio nela, mas não posso arriscar nada, porque no fim eu só quero confiar, mas não posso. Meu inimigo dorme no quarto acima do meu, e eu tenho que ajuda-lo e protege-lo. Olha lá embaixo. Tem um monte de gente achando que tudo que fazemos é porque nos importamos especialmente com elas, quando tudo que a gente faz é pelo domo. Não deixa de ser por eles.

(Eu choro)

E quando aquele dragão se libertar? O que eu vou fazer? Chorar? E se Dondon morrer? O que vai ser da minha vida? Que vontade eu vou ter pra viver? Porque você me escolheu? Porque não escolheu ele??? Agora ele é fraco!

...e sem ele eu sou fraca também.

Não vai sobrar ninguém, meu amigo. Queria que tu me dissesse o que fazer, pra que eu possa pensar em algo. Chronos não para, e a gente tem que correr contra ele.

Eu não vou conseguir. Eu vou morrer e Anadon vai morrer também, e Daerguel, e Killua, Soule, Kiara e todo mundo que eu gosto. E eu nem tive tempo para aproveitar a minha vida. Eu nem vou ter tempo de viver meu único amor sem me preocupar. Feliz é o Soule, que mesmo com o melhor assassino atrás dele, ainda canta.


Me diz Caius, o que eu devo fazer? Eu não sei usar aquilo. O que tu quer que eu faça? Eu preciso saber, pra poder escolher aonde ir. Chegou a hora onde eu não posso mais andar às cegas, nem pisar em falso. Não posso falhar, Caius. Não podemos falhar. Somos só nós dois contra o mundo, correndo contra o tempo. E tempo, é uma coisa que eu já perdi a muito tempo atrás.

2 comentários: