domingo, 10 de novembro de 2013

Carta à Killua (ação em secreto)

Olá, meu amigo. Encontrei uma pessoa que parecia competente para te achar, então me aproveitei disso para te escrever e atualizar.
As coisas aqui vão de mal a pior... 

Não tão mal assim, mas tá difícil.

Se queria que eu encontrasse o amigo leal, eu tenho ele, embora duvide muito que ele passe algum tipo de informação pra fora. 

Infelizmente não posso agracia-lo como pensei que faria quando eu o encontrasse, pois se eu fizer, acho que Pelor vai chorar. Chato é não poder compartilhar isso livremente com ninguém, exceto meu defunto, como chama a formiga. Todos já perceberam quem ele realmente é. Até as formigas vieram me perguntar se o melhor não seria procurar o velho negro. Tive que dizer que não sabia o que fazer, mesmo que isso também já me tenha ocorrido. Preciso que ele confie em mim. E eu sei o que ele quer. Diz ele que quando ficar feliz, vai sumir para outro plano junto com a felicidade, mas eu e o defunto duvidamos. Ele quer é que o mundo se torne como ele, e pra isso todo mundo precisa nascer de novo. Que bom, não!?

Tem também o pai nervoso de Daerguel. Já sabe dele? Adoraria te contar, mas por carta é arriscado demais. Sei o que ele precisa para ficar realmente agradado. Não sei exatamente como, mas a formiga teve um ótimo palpite, que eu também não poderei contar por carta.

Sei também onde se esconde nosso pequeno fugitivo envergonhado. Creio que essa informação já se espalhou por todos os ouvidos interessados, e logo veremos multidões festejando em um lugar bem inóspito.

Tem também a vadia... Lembra quem eu chamo de vadia? Ore para Celenril, pois talvez precisaremos dela.

Chato é ter um monte de coisas pra te contar e não ter certeza que essa carta vai chegar, por isso tenho que medir minhas palavras. 
Então se puder aparecer e dar o ar de sua graça, ficarei contente em dividir o que sei.

Tem também seu amigo bizarro, que você me pediu para colocar no grupo. Bom... eu fiz o que pude, mas ele queria morrer! Começou a falar um monte de coisas sobre sua alma estar com Zaz, fazia rituais macabros, depois se debatia e quebrava tudo. Com isso, conseguiu quebrar os dois braços. Ele era apaixonado pela formiga, acredita nisso? E pior: eles se beijaram, eu vi! Mas a questão não é essa. A questão é que ele queria ir até o deserto, encontrar respostas lá onde fomos antes. Ele estava decidido a ir, mas como a formiga prometeu ir com ele, pensamos que ele esperaria. Aconteceu que ele estava a dias sem se alimentar, e com os braços quebrados, não conseguiu ir muito longe sozinho quando fugiu. Mandei esse mesmo cara que te encontrou atrás dele. Ele voltou com o corpo, sem os olhos e vazio por dentro. Trágico...

Tivemos mais uma oferta. É a segunda em uma semana. Por sorte conseguimos resolver, mas não foi fácil. Tive que chamar meu amigo Caius para receber pessoalmente. Ele é demais!

E nosso amigo bardo... Infelizmente não conseguiu correr mais que o pássaro. Quanta injustiça dos deuses... Ele era tão bom, tão feliz... 
Sabe aquilo que o amigo leal se recusa a largar? Levaram junto, e agora ele anda se sentindo bem solitário! Não entendo o porquê, mas desconfio que o pássaro não voa sozinho. Que espécie de animal voa junto com ele eu não sei, mas estou certa que é um animal astuto.

Penso agora em ir até sua velha amiga. Vou atualizar ela e pedir que converse com a mãe dela, pois aonde vamos acabar indo, só com ajuda dela.

E a formiga... Ela pode ajudar muito. Lembra quando ela transformou minha sopa em caffia? Ela agora pode fazer isso em grande escala. Ela pode curar outros como seu “amigo” (o bizarro). Ela pode te curar! Já pensou nisso? Ela pode! E vai. Esse é um dos nossos planos e exigência pela nossa participação nessa festa linda que vai ser.

Mas falando sério agora... Quero te dizer que agora com seu amigo morto e as coisas explodindo como estão, não poderei mais ficar aqui só fazendo o que estou. O que não posso é ficar parada. Vou fazer como sempre: me sentar na mesa, e planejar alguma coisa em conjunto, mas não sei por quanto tempo isso vai durar. Logo vejo nosso grupo se amando mais que tudo por aí. Estou sozinha, meu amigo. Cada dia mais sozinha...

Apenas me sinto inquieta. Ficar aqui parada não vai resolver nada. Caius precisa de mim, e sem uma luz, fica difícil. Lembra-se do humano bonito que conversei quando estava no deserto? Aquele que vi quando perdi Daerguel... Planejo procurar por ele. Acredite, ele pode ser útil com informações importantes. Preciso de alguém que seja bom em encontrar pessoas perdidas.

Falando em fazer algo, vou te contar uma coisa que vai dar mais graça ao seu dia: nosso amigo maluco é papai. Se casou por esses dias. O menino é a cara dele, e a mulher dá duas de mim em tamanho.

Em breve iremos a cidade de seu pequeno amigo hospitaleiro. 

Espero que você dê notícias antes disso.

Se cuide.

Com carinho,

...você sabe quem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário